JOAQUIM

Livros & Discos

Leminski & Descartes

¨Penso, logo existo¨, a famosa frase do filósofo René Descartes foi a base para o pensamento que permeou o Iluminismo no século XVII indo contra as ideias medievais que vigoravam até aquele momento. Duvidando de tudo para ele próprio existir, Descartes construiu todo o seu método cartesiano em cima dessa ideia de questionamento da existência das coisas e das situações em si.

Brincando com essas ideias europeias, em 1975 o curitibano Paulo Leminski – na época já conhecido pela sua ousadia narrativa e modo de viver – formula uma ideia um tanto bizarra: e se René Descartes tivesse vindo junto na Nau de Mauricio de Nassau e desembarcado em Recife? Quais formulações filosóficas seriam possíveis em meio a tanto calor, animais selvagens e pessoas com costumes totalmente diferentes da metódica vida europeia?

Com essas respostas – e brincando com o famoso texto do filósofo, Discurso do Método – que Catatau foi construído. O diálogo, assim podendo ser chamado já que não conta com pausas formais, é um gigante devaneio/discurso de um homem à base de muito calor, incompreensões de costumes, dúvidas de existência e alucinóginos que o fazem oscilar entre pensamento científico e verborragia, as vezes até demonstrando certo ódio dessa terra cheia de peculiaridades.

Com essa premissa parece quase impossível um livro como Catatau ser traduzido para o cinema, já que funciona à base de diálogo quase infindável. Mas a tarefa do trabalho foi dada ao cineasta Cao Guimarães que deu vida a Ex Isto. O longa faz parte da série Iconoclássicos – projeto do Itaú Cultural – que apresenterá uma série de filmes que discutem sobre a obra de determinados artistas contemporâneos. Ex Isto é o único como obra de ficção que homenageia a atitude iconoclasta – e na época chamada de marginal – do poeta, tradutor, ensaísta e afins, Paulo Leminski. O longa foi uma encomenda direta para o cineasta que tem uma vasta carreira em videoarte e concedeu ao longa uma beleza contemporânea que funcionou muito bem com a narrativa de Catatau, extremamente caótica e metamórfica em se tratando de linguagem.

O ator João Miguel (Estômago, Cinema, Aspirinas e Urubus e etc) se empresta para um René Descartes extremamente apático de olhar mas com uma caricatura extremamente própria. Andando pelas matas verdes, navegando inconformado em um pequeno barco pela baía ou no meio de ruas caóticas de um Recife urbanizado o Descartes preso na terra brasilis duvida de tudo que possa existir, inclusive dele próprio.


“Duvido se existo, quem sou eu se esse tamanduá existe?”

A versão de Cao mostra um pensamento científico quase despercebido andando por um mundo contemporâneo cheio de cores, sons e outros atributos além do questionamento de existência. Uma obra de cinema, mesmo com bases na literatura, não necessita de fidedignidade com o texto e Ex Isto traz uma versão muito pessoal, sensorial e divertida de uma das grandes obras de invenção da literatura brasileira.

A última edição do livro Catatau está disponível na Joaquim, pela editora Iluminuras.

Trailer:

Anúncios

Navegação de Post Único

Uma opinião sobre “Leminski & Descartes

  1. Pingback: E aí Gilles, Deleuze? « JOAQUIM

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: