JOAQUIM

Livros & Discos

As Pin-ups de Elvgren

É inegável a beleza nos traços das pin-ups caracterizadas pelo americano Gil Elvgren, talvez um dos maiores responsáveis pela popularização do estilo de mulheres curvílineas em poses levemente provocativas que mexiam – claro, mexem ainda – com o imaginário de todos.

Mesmo com um certo boom da volta das pin-ups, agora mais modernas com piercings e tatuagens, o momento-chave do estilo foi entre os anos 50 e 60, época de maior circulação de campanhas publicitárias e principalmente os clássicos calendários da Brown & Bigelow que eram ansiosamente aguardados com pinturas de belas mulheres hiper-realistas em cada mês do ano. Aliás, a expressão Pin-Up vem justamente de pinned up on the wall, ou seja, pregar na parede.

Olhando a imensidão de pin-ups retratadas pelos pincéis de Gil Elvgren deve-se imaginar de onde vinha tanta inspiração para retratar as belas mulheres e a resposta é simples, ele usava, na maioria dos desenhos, a sua própria esposa. Elvgren usava a técnica de fotografar a modelo antes e fazia o desenho baseado na imagem, variava a cor, corte e movimento do cabelo, deixava o corpo com mais curvas, cinturas mais finas, seios bem desenhados e as roupas com tons mais vivos.

Elvgren costumava dizer que as pinturas perfeitas de mulheres deveriam representar um rosto de 15 anos num corpo de 20. Uma polêmica talvez para hoje em dia, mas na época era algo totalmente plausível sendo que o romance Lolita, de Vladimir Nabokov, já era bem representado pela provocativa versão cinematográfica de Stanley Kubrick.

Não à toa alguns chamam Gil Elvgren como o pai do Photoshop, afinal, foi o primeiro a tratar as imagens de mulheres de acordo com os padrões de mídia da época e fez isso por mais de 40 anos. Sim, mídia. Lembre-se que Hollywood, por exemplo, reinava e muitas atrizes passaram pelo estúdio de Elvgren antes de conseguir papéis no cinema. Nomes como Myrna Hansen, Myrna Loy, Donna Reed, Arlene Dahl, Barbara Hale e Kim Novak, a clássica protagonista de Um corpo que Cai, de Hitchcock, foram algumas das beldades que Gil fotografou, pintou e transformou em ícone pop da cultura das pin-ups.

Se você quiser conhecer mais do trabalho hiper-realista de Gil Elvgren recomendamos a belissima edição da editora alemã Taschen Gil Elvgren: The Complete Pin-Ups.

Anúncios

Navegação de Post Único

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: